Olimpíadas de Química
Olimpíada de Química do Estado de São Paulo
OQSP-2016

OQSP-2004 Finalistas assistem destilação do vinho OQSP Prêmio Prof. Geraldo Vicentini Caio Borba Casella recebe medalha de ouro da OBQ
IChO-2010 - Japão - Jéssica e André conquistam Bronze IChO-2011 - Turquia, Tabata, egressa da OQSP-2011, conquista Bronze 44th IChO (2012) Daniel Hara - prata
IChO-2011 - Turquia, Tabata, egressa da OQSP-2011, conquista Bronze 44th IChO (2012) Daniel Hara - prata
1ª linha: Fase Final da OQSP, experimentos; Placa do Prêmio Talentos; Homenagem anual da ABIQUIM. Paulistas entre detentores de medalhas da Olimpíada Internacional de Química (IChO) ─ 2ª linha: 2010 (Japão); 2011 (Turquia); 2012 (EUA); ─ 3ª linha: 2015 (Azerbaijão), 2014+2014 (Vietnã) (mais fotos no final). Leia mais...


Olimpíadas de Química do Estado de São Paulo

OQSP-2016
Para estudantes de ensino médio matriculados
em escolas paulistas, públicas e privadas
Início: 01/setembro/2015
Fase Final: 11/junho/2016 no IQ-USP (mapa).

Anteriores: OQSP-2015, 2014, 2013, 2012, 2011, 2010, 2009, 2008, 2007, 2006, 2005, 2004, 2003, 2002, 2001, 1999, 1998, 1997.

Calendário nacional das Olimpíadas de Química
Olimpíada Brasileira de Química Júnior

As Olimpíadas de Química são atividades científico/culturais de caráter competitivo para estudantes de ensino médio (antigo 2º grau) e de séries finais do ensino fundamental. Delegações de aproximadamente 75 países participam anualmente da Olimpíada Internacional de Química (IChO), entre eles, o Brasil. Os representantes brasileiros na IChO tem que vencer primeiro a Olimpíada Brasileira de Química (OBQ), da qual  participam, por sua vez, os ganhadores das Olimpíadas Estaduais de Química e os vencedores da Olimpíada Brasileira de Química Júnior. 

Os estudantes de ensino médio interessados devem inscrever-se na Olimpíada do estado brasileiro em que se localiza sua instituição de ensino. Escolas e estudantes paulistas encontram informações neste site. Interessados de outros estados podem localizar o endereço da página na intertet e o Coordenador Estadual no site do Programa Nacional de Olimpíadas de Química.

Origens da OBQ: Por iniciativa do Instituto de Química da USP, com o apoio da FAPESP, da Secretaria da Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, foi realizada em 1986 a primeira Olimpíada de Química no país. O evento evoluiu até contar com a participação de estudantes de cinco estados em 1989, sendo suspenso no ano seguinte.

A OBQ ressurgiu em 1996, por iniciativa da Universidade Federal do Ceará, da Universidade Estadual do Ceará e da FUNCAP. Essas entidades continuam presentes na OBQ que, desde 2000, é uma atividade realizada pela Associação Brasileira de Química - ABQ, com a participação de 27 estados. Em 2008 foi instituída a Olimpíada Brasileira de Química Junior, OBQJr, para estudantes das séries finais do ensino fundamental, como parte do Programa Nacional Olimpíadas de Química.

Origens da IChO: A Olimpíada Internacional de Química teve origem em 1968 com a participação da então Checoslováquia, da Polônia e da Hungria. Logo, outras nações do leste europeu ingressaram na IChO e já em 1974, também os países do oeste da Europa aderiram. Os Estados Unidos ingressaram em 1984 e o Brasil, em 1999. Atualmente, participam da IChO estudantes de cerca de 70 países. A trajetória da IChO encontra-se resumida num artigo (pdf, texto em inglês).

Origens da OQSP: Em 1996, foi realizada em São Paulo a IV Maratona Científica em Química durante o 36º Congresso Brasileiro de Química da ABQ. Em 1997 a ABQ-SP organizou a Maratona Regional de Química. Em 1998 a Maratona e Olimpíada de Química do ESP foi credenciada a inscrever seus 40 vencedores na OBQ. O nome Olimpíada de Química do Estado de São Paulo, OQSP, foi adotado em meados do ano 2000, com o lançamento da OQSP-2001.

Olimpíada de Química do Estado de São Paulo (OQSP) tem início no mes de setembro de cada ano com a divulgação do tema das redações pelos seguintes meios principais:

i) Nove mil cartazes e 9 mil folhetos com o regulamento e o calendário, enviados a milhares de escolas (cadastramento de endereços de escolas pelo e-mail abqsp@iq.usp.br);

ii) Pela AllChemy, http://allchemy.iq.usp.br;

iii) Por e-mail enviado aos 7 mil assinantes da lista da OQSP (escolas, professores e estudantes podem se cadastrar na lista pelo e-mail abqsp@iq.usp.br).

Funcionamento da OQSP: 1ª Fase [nas escolas]

Os estudantes interessados na OQSP, matriculados na 1ª ou 2ª série de ensino médio de escolas/colégios localizadas no Estado de São Paulo, toma conhecimento do tema anual em setembro e entregam suas redações aos professores de química até o início de novembro. Os professores selecionam, entre as redações recebidas de todas as turmas da escola, as duas melhores de 1ª série e as duas melhores de 2ª série. A direção da instituição de ensino remete para a ABQ-SP as fichas inscrição dos autores com as redações até a data limite indicada no calendário (2ª quinzena de novembro). 

Durante as férias escolares, a Comissão Julgadora, composta por meia centena de doutores em química, avalia todas as redações recebidas.

Funcionamento da OQSP: 2ª Fase [ABQ-SP]

Em março, a ABQ-SP convoca, neste site, o 1º autor (autor principal) das 100 melhores redações para participar da prova da Fase Final. Convida também cerca de 40 "treineiros" da FUVEST das áreas de exatas e biológicas com as melhores notas na 2ª fase do vestibular, 8 vencedores paulistas do Torneio Virtual de Química - IQ-Unicamp, Campinas e 4 da Olimpíada Regional - USP Ribeirão Preto.

Todos os finalistas convocados que comparecem à Fase Final da OQSP (assim como seus co-autores e professores) recebem um CERTIFICADO de Participação. Os 50 vencedores da Fase Final, recebem medalha e, posteriormente, DIPLOMA de Mérito nominal.

O exame da Fase Final da OQSP é aplicado anualmente num sábado da 1ª quinzena de  junho, no IQ-USP, São Paulo. A correção e premiação ocorrem no mesmo dia do exame.

Das 50 medalhas outorgadas (até 2011 eram 40), as 6 de ouro tem sido acompahadas de prêmios em dinheiro, culminando com "Prêmio Professor Gerado Vicentini" (foto acima), outorgado pelo Instituto de Química da USP e o "Prêmio Talentos", introduzido em 2011 e oferecido pela BRASKEM.

Os 50 detentores de medalha da OQSP representam o Estado de São Paulo na OBQ subsequente (exame em final de agosto), única via de acesso de brasileiros à OIAQ e à IChO.
 
Resultados alcançados pelos estudantes paulistas

Anualmente, os estudantes que mais se destacam na OQSP participam da OBQ, competição em que, via de regra, conquistam muitas medalhas, sendo que as de ouro tem sido entregues em São Paulo, durante o Encontro Anual da Indústria Química - ABIQUIM.

International Chemistry Olympiad, IChO
(Olimpíada Intern. de Química, anual, julho, ~79 países)

Em 2010, vieram para o Estado de São Paulo as primeiras medalhas da IChO. Jéssica Kazumi Okuma e André Silva Franco conquistaram bronze na 42nd IChO, Japão, fato noticiado, p.ex., pela ABICLOR (uma das patrocinadoras da OBQ e da OQSP), pela USP e pela Agência FAPESP.

Em 2011, uma medalha de bronze da 43rd IChO, realizada na Turquia, foi conferida à estudante paulista Tábata C. A. de Pontes. No mesmo evento, outros dois brasileiros conquistaram medalhas, sendo umade prata e uma de bronze.

Em 2012, uma medalha de prata da 44th IChO, realizada em Washington,EUA, foi conferida ao estudante paulista Daniel Arjona de Andrade Hara. No mesmo evento, outros três brasileiros conquistaram medalhas de bronze.

Em 2014, duas das três medalhas de bronze conquistadas pelos representantes brasileiros na 46th IChO, realizada em Hanoi, Vietnã, foram trazidas para São Paulo por Chan Song Moon e Kevin Eiji Iwashita.

Em 2015, o paulista Vitor Gomes Pires acrescentou a segunda medalha de prata às conquistas dos estudantes paulistas nas IChOs enquanto os cearences Pedro Teotonio de Sousa e Gabriel Ferreira Gomes Amgartem trouxeram medalhas de bronze da 47th IChO, realizada no Azerbaijão.

Olimpíada Ibero-americana de Química, OIAQ
(anual, setembro/outubro, 15 a 17 países representados)

Os estudantes brasileiros vem mantendo a supremacia entre as 15 a 17 delegações participantes da OIAQ.

Em 2009, pela primeira vez, um estudante paulista, Daniel Kakiuthi, retornou com medalha de bronze de uma OIAQ, realizada em Cuba..

Em 2010, os paulistas Jéssica Kazumi Okuma e André Silva Franco conquistaram medalhas de ouro na OIAQ realizada no México.

Em 2011, a estudante paulista Tábata C. A. de Pontes e dois estudantes do Ceará, conquistaram medalhas de ouro e o paulista Daniel Hara trouxe uma medalha de prata da na OIAQ realizada em Teresina, PI.

Em 2012, toda a delegação brasileira retornou da Argentina com medalhas: o paulista Daniel Hara (ouro) e os cearences Vitória Medeiros (ouro) Gabriel Pinheiro (prata) e Ramon da Silva (prata).

Em 2014, os quatro brasileiros que foram a Montevidéo, Uruguai, alcançaram três medalhas de prata e uma de bronze, cabendo duas das de prata aos paulistas Chan Song Moon e Kevin Eiji Iwashita.

Escola Olimpica da Química - 2011 Homenageados e presidentes no ENAIQ-2014 44th IChO Todos os brasileiros  ganham medalhas
IChO-2010 - retorno ao IQ-USP - Omar, Gutz, André, Jéssica e Rubens OBQJr-2011 Abiquim TÁbata Pontes e Daniel - ouro na OIAQ, são recebidos por Omar e Gutz(
OQSP-2012 vencedores